PANDEMIA RECUA NO RN MAS É PRECISO CAUTELA

DIMINUIÇÃO Saúde registra queda nos pedidos de internação de pacientes covid e avanço do Indicador Composto em 57 municípios, melhor resultado desde o início da segunda onda, em março.

 Com o avanço da vacinação na faixa etária abaixo dos 60 anos e medidas de proteção social, a pandemia da covid-19 dá sinais de recuo no Rio Grande do Norte. Pela segunda semana seguida, o Indicador Composto não registra nenhum município no Escore 5, o mais alto na escala de monitoramento da doença.  O boletim mais recente, de 21 de junho, mostra que apenas 14,4% dos municípios estavam na faixa de alto ou risco extremo, enquanto quase 40% se situavam nos escores 1 e 2, de risco baixo ou moderado. É o melhor resultado desde o início da segunda onda da pandemia, em março, conforme dados epidemiológicos processados pelo Comitê de Especialistas coordenado pelo professor Kênio Lima, da UFRN – Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

“Melhoramos o quadro da pandemia no Estado porque estamos acelerando o processo de imunização. Realizamos Dias D e mutirões para as grávidas e puérperas, os agentes da segurança, e vamos avançar na imunização dos trabalhadores da Educação. A vacina é o caminho mais seguro para avançarmos no combate à pandemia”, disse a governadora Fátima Bezerra. Até essa sexta-feira (26), o Rio Grande do Norte havia recebido 2,02 milhões de doses de vacinas de quatro fabricantes: Coronavac/Butantan, Pfizer, Oxford/AstraZeneca e Janssen/ Janssen Pharmaceutica NV, e aplicado 1,48 milhão. O número de totalmente imunizados é de 404.618, o que corresponde a 37% do público-alvo e a 11,45% da população total do Estado.

O prefeito de Itaú, André Régis Júnior, que é médico intensivista, atribui a melhoria dos indicadores da pandemia à vacinação e às medidas restritivas para proteger a saúde dos 5,8 mil moradores da cidade. Itaú está localizada na região do Alto Oeste, a 350 quilômetros de Natal. 

O prefeito seguiu as recomendações estabelecidas nos dois decretos estaduais regionalizados, editados no final de maio e início de junho, para barrar a disseminação do vírus. “Nós também fiscalizamos o cumprimento das medidas e isso foi importante para conter a pandemia”, disse o prefeito.

Um outro dado que indica recuo da pandemia é o número mensal de óbitos. Junho deverá ser o mês com menos mortes desde fevereiro de 2021. “Olhando os indicadores, estamos numa situação bem melhor hoje, mas é bom lembrar que algumas variantes precisam de um tempo maior para consolidar a mudança, definir tendência”, pondera o professor Kênio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.