Fátima Bezerra: “Quero que o RN esteja à altura de exercer o protagonismo da energia offshore”

Afirmativa da governadora ocorreu na abertura da 13ª edição do Brazil Windpower, em São Paulo

Referência nacional na geração de energia eólica, o Rio Grande do Norte está em debate no principal congresso e feira de negócios da América Latina sobre o segmento. “Quero que o nosso estado esteja à altura de exercer o protagonismo da energia offshore (no mar)”, afirmou a governadora Fátima Bezerra na abertura da 13ª edição do Brazil Windpower, nesta terça-feira (18), em São Paulo.

Organizado pelo Grupo Canal Energia by Informa Markets, pela Associação Brasileira de Energia Eólica (ABEEólica) e pelo Conselho Global de Energia Eólica (GWEC), o evento reúne as principais autoridades do setor, entidades representativas, fabricantes e executivos do segmento eólico. “Eu queria inicialmente parabenizar a ABBeólica e as demais entidades pela realização do Fórum, que está muito representativo. Evidente que na condição de governadora de um Estado que tem protagonismo muito importante nessa área de energias renováveis, fiz questão de vir, junto inclusive com a nossa equipe técnica: Secretaria de Desenvolvimento Econômico, com a presença também da Academia (a UFRN), que tem sido uma parceira muito importante no desenvolvimento dos estudos e projetos com relação a expansão da energia renovável do Rio Grande do Norte”, ressaltou a chefe do executivo estadual.

Com a presença de toda a indústria eólica, a governadora Fátima Bezerra assinou um memorando de acordo com a Nordex Acciona, fabricante de aerogeradores, e nos próximos dias firmará parceria com a Siemens Gamesa. Os acordos têm foco na colaboração entre a indústria e o governo para troca de conhecimento e desenvolvimento do setor no estado, que já é o maior em capacidade instalada da fonte onshore (em terra). “Hoje somos exportadores de energia para o Brasil, com a offshore queremos exportar energia para o mundo, para isso estamos proporcionando a infraestrutura logística necessária com o porto indústria verde e o programa estadual de hidrogênio verde”, afirmou a governadora em entrevista coletiva.

O Estado ainda não conta com um marco regulatório para a tecnologia offshore, mas o Governo do RN está fazendo a lição de casa para estar preparado para o momento que a regulação chegar. Estudo feito pelo Senai-RN apontou que o potencial offshore no RN é da ordem de 140 GW.

Para a chefe do executivo estadual, o evento é mais uma oportunidade para o Governo do RN mostrar os incentivos oferecidos pela gestão estadual para a instalação de novas empresas, indústrias e atividades relativas ao setor. A questão foi tratada em reunião com diversas empresas do setor.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *