Fátima Bezerra planeja construir novo hospital para urgências no RN

A governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra (PT), reeleita em primeiro turno com 58,31% dos votos, planeja a construção de um novo hospital estadual para atendimento de urgências e emergência. A medida deve desafogar a demanda da maior unidade de saúde do Rio Grande do Norte, o Hospital Monsenhor Walfredo Gurgel, que enfrenta, de tempos em tempos, problemas de superlotação e falta de leitos.A melhoria dos serviços hospitalares de urgência será uma das prioridades na nova gestão da petista. Durante entrevista à InterTV Cabugi, Fátima Bezerra disse que há a necessidade da construção de um “novo Walfredo Gurgel”.

“Nós precisamos construir um novo Walfredo Gurgel. Veja, o Walfredo Gurgel foi construído quando Natal tinha 250 mil habitantes. Então se faz necessário um novo hospital de trauma, de urgência e emergência do Rio Grande do Norte. Nós vamos buscar o apoio do governo federal”, explicou.

Ainda na saúde, ela afirmou que manterá os investimentos nos hospitais regionais e lembrou do legado de leitos deixados pelas ações em saúde durante a pandemia da covid-19. “Mossoró ficou com mais de 40 leitos de UTI. Aqui em Natal e Grande Natal nós temos cerca de 50 leitos de UTI a mais. Nós vamos continuar investindo nos hospitais regionais pra dar capacidade de resolutividade no atendimento”, disse ela.

A governadora lembrou ainda que o governo está investindo este ano mais de R$ 110 milhões na recuperação e reconstrução de rodovias estaduais, a exemplo do que vem sendo feito na RN-233 entre Assu e Triunfo Potiguar, e garantiu que este trabalho terá continuidade em 2023.

“Nós vamos ter uma carteira com mais de trinta projetos executivos, tanto de restauração de trechos críticos como a construção de novos trechos rodoviários. Cuidar das estradas será uma das prioridades”, disse ela.

Considerada estratégica para escoar a produção industrial e agrícola do Vale do Açu, a RN-233 recebe investimentos de R$ 74 milhões oriundos do empréstimo junto ao Banco Mundial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *