Em live, Bolsonaro sobe o tom e chama Moraes de ‘patife’ e ‘moleque’

Pelo terceiro dia consecutivo, o presidente Jair Bolsonaro (PL) subiu o tom contra o ministro Alexandre de Moraes, que preside o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), e chamou o magistrado de “patife”, “cara de pau” e “moleque”. O candidato à reeleição tem feito críticas à quebra de sigilo bancário de um de seus ajudantes de ordem, o tenente-coronel Mauro Cesar Barbosa Cid, por determinação de Moraes.

“Você quer um presidente, Alexandre de Moraes, refém teu. Eu não sou refém teu. Se eu fosse, Alexandre, eu não teria, por exemplo, assinado o indulto, a graça para o deputado Daniel Silveira. Quando eu mandei preparar o decreto, teve muita gente do meu lado ‘Ah, você vai brigar com o Supremo’. Eu brigo com qualquer coisa, só não brigo com a minha consciência, com a minha honra, Alexandre de Moraes”, declarou Bolsonaro, em transmissão ao vivo nas redes sociais.

A quebra de sigilo de Cid foi determinada por Moraes após a Polícia Federal encontrar no celular do ajudante de ordens mensagens que levantaram suspeitas sobre transações financeiras feitas no gabinete de Bolsonaro, de acordo com o jornal Folha de S. Paulo, que revelou o fato. Em uma das movimentações, há repasses para uma tia de Michelle Bolsonaro que cuida da filha do casal, Laura, quando a primeira-dama está em viagem ou tem algum outro compromisso.

“Seria muito fácil para mim estar do outro lado do balcão, tomando uísque com Alexandre de Moraes, aquela turma toda, se refestelando do poder. Mas estou do lado de cá. E aí o Alexandre de Moraes vem com essas baixarias, quebra o sigilo do meu ajudante de ordens. Quebrou foi o meu sigilo, Alexandre. Isso não é papel de homem, é de moleque”, afirmou Bolsonaro. “Deixa de ser um patife, Alexandre de Moraes, um patife”, emendou, ao chamar o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) de “cara de pau”. “Seja homem uma vez na vida”, continuou.

Para atacar seu principal adversário na eleição, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que lidera as pesquisas de intenção de voto, Bolsonaro disse que o petista, se eleito, indicaria dois ministros “bandidos” para o STF. “Imagina ele colocando mais dois lá dentro: acabou o Brasil, pessoal, a ditadura está aí, ditadura branca, sem armas, sem nada”, declarou o chefe do Executivo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *