CGU aponta sobrepreço em programa de cisternas ligado ao ministério dirigido por Rogério Marinho

Bolsonaro e Rogério Marinho fazem inauguração de obras do Rio São Francisco sem água em Jucurutu, interior do RN

O programa do governo federal “Força tarefa das águas”, que previa a construção de cisternas no Nordeste, foi lançado em março deste ano, em Quixadá (CE), na presença do presidente Bolsonaro (PL) e outras autoridades, como o então ministro do Desenvolvimento Regional, o potiguar Rogério Marinho (PL).

Mas, recentemente, técnicos da Controladoria-Geral da União (CGU) detectaram indício de sobrepreço, inconsistência no quantitativo de serviço, falta de justificativas técnicas pra itens exigidos, além de deficiência nas pesquisas de preço de mercado e superficialidade em especificações das compras, segundo levantamento do jornal Estadão, publicado nesta quarta (17).

De acordo com a reportagem, a construção das cisternas tem sobrepreço de R$ 131 milhões, valor equivalente a 11% do total de R$ 1,2 bilhão previsto pelo governo para execução das obras.

Os técnicos da CGU detectaram que vários poços perfurados ainda estão lacrados, em outros casos, a construção parou pela metade e as bombas para retirada de água não foram instaladas.

Também foi detectada inconsistência no quantitativo de serviço, falta de justificativas técnicas pra itens exigidos, além de deficiência nas pesquisas de preço de mercado e superficialidade em especificações.

Um dos itens do sistema de ligação de água dos poços, por exemplo, tinha preço de mercado de R$ 850, mas a Funasa, responsável pelas obras, quis pagar R$ 1,2 mil, o que resultava numa diferença de R$ 13 milhões a mais, apenas no item citado.

Os técnicos da CGU ainda identificaram pedidos de tubos de PVC de 100 metros quando, em licitação anterior semelhante, foram utilizados tubos de 7 metros, uma diferença que resultaria em R$ 24 milhões a mais no custo da obra.

A licitação, realizada pela Fundação Nacional de Saúde (Funasa), contempla o Rio Grande do Norte, além dos estados da Alagoas, Bahia, Ceará, Sergipe, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí e Minas Gerais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.